Distúrbios somáticos geralmente são identificados quando o indivíduo relata sentir fortes dores e/ou diversos tipos de desconfortos físicos, porém ao investigar as causas de tais dores, a medicina dificilmente consegue apontar alterações orgânicas.
Doenças psicossomáticas são “doenças físicas que se pensa serem causadas ou agravadas por fatores mentais”, ou seja há a presença de quadros orgânicos agravados pelo emocional do sujeito. Na somatização, sintomas físicos são causados por fatores comportamentais, emocionais ou psicológicos e o sujeito pode sentir uma série de sintomas, principalmente dores intensas. O mais curioso é que sintomas vivenciados em um quadro somático, como:

• Dores no peito
• Palpitações (ou ritmo cardíaco acelerado)
• Dor de cabeça
• Dor de estômago
• Náuseas, vômitos e regurgitações
• Falta de ar e/ou sufocamento (respirações curtas/rápidas)
Coceiras, reações alérgicas na pele e etc.

podem de fato simular doenças físicas como pressão alta, arritmia (e outras doenças do coração), enxaqueca, gastrite, doenças pulmonares, asma, psoríase e outras, mas na verdade muitos deles surgem na psyché.

 

Causas

Segundo o DSM-V uma série de fatores pode contribuir para o transtorno de sintomas somáticos:

• Vulnerabilidade genética e biológica (como por exemplo uma maior vulnerabilidade a dor);
• Experiências traumáticas precoces (violência, abuso, privação);
• Aprendizagem (atenção obtida por causa da doença);
• Normas culturais/sociais que desvalorizam e estigmatizam o sofrimento psicológico em comparação ao sofrimento físico.

Assim pode-se inferir que em situações adversas que resultam em ansiedade e estresse, relacionadas subjetivamente ao contexto do indivíduo, surgem dentre outras, reações semelhantes às mencionadas anteriormente, onde há maior atividade de impulsos nervosos enviados pelo cérebro, disparando principalmente cargas de adrenalina e cortisol na corrente sanguínea, isso se dá geralmente quando estamos com medo, ansiosos, ou preocupados.
Quando tais reações (medo, preocupação, ansiedade exacerbados) começam a ser muito frequentes na vida do sujeito, inclusive o impedindo de executar suas atividades mais corriqueiras, diminuindo fortemente sua qualidade de vida e sem que haja a presença de alterações físicas pode-se inferir que tal quadro seja causado por fatores comportamentais, emocionais ou psicológicos; porém, deve-se ficar atento quanto a essa situação, pois o fato de não encontrar uma causa física não significa afirmar que haja um transtorno mental; as pessoas diagnosticadas com transtornos somáticos geralmente já passaram inúmeras (i-nú-me-ras) vezes por diversos médicos sem detecção de um diagnóstico.

Doenças como depressão, e transtorno de ansiedade refletem diretamente no corpo, e os fatores emocionais dependendo do estado mental do sujeito podem elevar o grau de severidade de uma série de sintomas físicos já existentes ou ocasionar outros (comorbidade).
Diante de um quadro de depressão o sujeito pode deixar de se alimentar e assim não receber os nutrientes necessários resultando em desnutrição e baixa imunidade, minando assim a saúde física.

 

Tratamento

Os desconfortos que sentimos são um sinal do nosso corpo para nos alertar sobre a necessidade de dar atenção ao modo como estamos vivendo, nos alertar que precisamos mudar algo no roteiro da nossa vida.
É indicado aos pacientes participarem de processo psicoterápico para buscar aliviar sintomas de ansiedade, depressão e estresse ou quaisquer outros fatores que estejam contribuindo para diminuição da saúde mental e consequentemente, como vimos anteriormente, diminuição também da saúde física.
Dependendo do grau de severidade dos sintomas do indivíduo, é recomendável buscar acompanhamento psiquiátrico, pois alguns tratamentos podem envolver uso de medicamentos como ansiolíticos, e antidepressivos que podem auxiliar na diminuição dos sintomas; no entanto é altamente recomendável a psicoterapia como um meio de atuar na origem desses sintomas no lugar de apenas medicar superficialmente uma série de questões.
A Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) demonstra ser bastante eficaz no tratamento de distúrbios somáticos, pois ajuda o paciente a identificar e mudar certos comportamentos e pensamentos disfuncionais proporcionando autoconhecimento ajudando o sujeito na resolução de conflitos internos.

 

Informação adicional:

A fibromialgia uma doença que por muito tempo foi completamente atribuída a fatores psicológicos, hoje se sabe que é o sistema supressor da dor que coordena a relação entre dor e analgesia que não funciona direito nessas pessoas. Em 90% dos casos acomete mulheres e pode ser agravada por fatores como estresse que aumenta a vulnerabilidade à dor.

 

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5 – Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

https://drauziovarella.uol.com.br/mulher-2/fibromialgia-3/

https://www.msdmanuals.com/pt/profissional/transtornos-psiqui%C3%A1tricos/sintoma-som%C3%A1tico-e-transtornos-relacionados/transtorno-de-sintoma-som%C3%A1tico

https://patient.info/health/psychosomatic-disorders

Categorias: Saúde mental

Nayara Sena

Graduanda em psicologia, amo dividir conhecimento e aprender coisas novas sobre diversos assuntos, me considero uma entusiasta moderada de tecnologia, porém minha paixão maior é e sempre será a psicologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.